Tecnologia Corporativa: os benefícios da evolução para as empresas

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Vivemos em um mundo globalizado em que existe uma certeza clara: a mudança constante. Num passado não muito distante, tamanhas mudanças evolutivas em todos os ramos da sociedade ocorriam de forma mais lenta. Hoje em dia, é tudo muito mais rápido e aqueles que não se adaptam, ficam para trás. Isso tudo tem um porquê: a tecnologia.

Com as empresas isso não é diferente. A globalização facilitou o crescimento dos negócios e a transposição de barreiras jamais imaginadas pelas empresas. Isso careceu de uma resposta tecnológica para acelerar a comunicação, facilitar as relações e negociações e, mais do que isso, manter-se no mercado.

Para que sobrevivam de forma competitiva, é preciso que empresas inovem a todo o momento e, mais do que nunca, usem a tecnologia corporativa a seu favor.

Hoje em dia, é praticamente inviável que exista um negócio que ainda não utilize da tecnologia corporativa. Seu uso traz diversos benefícios tanto para a empresa, quanto para os consumidores finais.

Nesse texto abordaremos as vantagens geradas para melhorar a gestão empresarial. Confira!

Benefícios da Tecnologia Corporativa

 

  • Aproveitamento de novas oportunidades

Antigamente, negociar com outros países ou mesmo com regiões mais distantes, além de demorado e complexo, era bastante caro e inseguro.

Sem a internet, as relações tornavam-se ainda mais distantes. A comunicação era mais difícil, a pesquisa por empresas era praticamente impossível, além disso, não era possível trocar informações de forma ágil.

Hoje, mediante o uso de tecnologia corporativa, é possível trocar fotos e vídeos, realizar vídeo conferências em tempo real, realizar pagamentos instantaneamente, pesquisar a existência de empresas ou mesmo realizar a análise de mercado simplificadamente. A internet e as telecomunicações móveis facilitam as transações globais.

Isso tudo mitiga riscos e torna as operações bem mais seguras, bem como reduz a distância de países localizados em pontos tão diversos do globo.

Logo, empresas podem atuar em qualquer lugar do mundo a fim de aproveitar novas oportunidades, ampliar o ciclo de vida dos seus produtos, expandir seu mercado consumidor, explorar mercados ainda não saturados com demandas reais ou reprimidas e criar ainda mais valor.

 

  • Integração de processos para otimizar resultados

Empresas existem para suprir necessidades de mercados consumidores por meio de produtos e/ou serviços. Para isso, precisam de processos. Porém, quanto mais automatizados eles forem, menores os riscos de erros e melhores serão os resultados. Assim, surgiram os sistemas integrados, resultado do uso eficiente das tecnologias corporativas.

Além de garantir agilidade e eficiência, sistemas integrados permitem que diversos processos empresariais relevantes possuam uma arquitetura única de dados, de forma que não existam duplicidades ou informações não estruturadas. Do mesmo modo, torne muito mais fácil o acesso a diferentes dados para que as decisões dos níveis hierárquicos mais elevados sejam cada vez mais assertivas.

Com isso, as 4 grandes áreas da empresa, isto é, produção, marketing e vendas, financeiro e RH, podem se relacionar e funcionar de forma mais eficiente.

Isso permite, por exemplo, uma integração contábil, integração entre marketing e vendas, bem como de vendas com o financeiro. Assim, quando um produto é vendido, o marketing obtém informações do cliente para iniciar um relacionamento, o financeiro já controla os pagamentos e a contabilidade já consegue abater o valor dos estoques do balanço patrimonial.

 

  • Automação e otimização do controle, interação, produtividade, qualidade e eficiência dos processos.

Com uma arquitetura única de dados, gestores conseguem facilmente mapear todos os processos, organizá-los, melhorá-los, controla-los, identificar gargalos, repensar aquilo que não agrega valor e tomar melhores decisões.

Com uma visão holística da organização e de todos os seus processos, é possível controlar tudo que ocorre para encontrar potenciais pontos de melhorias a fim de aumentar a produtividade, qualidade e interação.

Além disso, por reduzir ou eliminar interferências humanas, os processos tornam-se mais padronizados, reduzindo erros, tempo de produção e retrabalho de forma que a empresa torna-se cada vez mais competitiva e eficiente.

Ao automatizar rotinas repetitivas, funcionários tornam-se mais engajados e motivados, com tarefas mais dinâmicas e desafiadoras, permitindo que o capital humano seja melhor aproveitado.

 

Custos são preocupações constantes de qualquer organização. Por isso, algumas delas, de forma equivocada, enxergam a tecnologia corporativa como passivo, não como investimento.

É certo dizer que investir em tecnologia nem sempre é barato. Além do investimento inicial são necessários constantes desembolsos para sua manutenção. Porém, o retorno é, na maioria dos casos, garantido. E todos saem ganhando, tanto setores internos da organização, como consumidores finais.

Do ponto de vista interno, é possível automatizar rotinas para ganhar tempo, reduzir custos naquilo que não agrega tanto valor e direcionar recursos para o que não pode ser automatizado. Além disso, sistemas dificilmente erram, reduzindo perdas e retrabalhos.

Outra vantagem é que a tecnologia corporativa permite que os gestores tenham maior visibilidade de todos os gastos da empresa, de forma a repensar alguns deles, cortar excessos ou realocar recursos para aquilo que é mais relevante.

 

Conclusão

Vimos que a tecnologia corporativa é uma realidade na maior parte das empresas e que esta pode trazer diversos benefícios, por isso deve ser vista como um investimento que irá potencializar o retorno da organização.

Porém, cabe ressaltar que é preciso identificar qual a melhor tecnologia para seu negócio, isto é, identificar as reais necessidades das organizações de forma a não gastar indiscriminadamente naquilo que não fará sentido para a empresa.

Quando utilizada a favor da organização, todos saem ganhando, desde a empresa e seus fornecedores, até o consumidor final.

 

Autor convidado

Este texto foi produzido pela Investor, consultoria especializada em avaliações nas áreas de Finanças Corporativas, M&A – Fusões e Aquisições, Gestão do Ativo Imobilizado e Consultoria Imobiliária.

Comentários